Ana Júlia, Eichmann e Mediocridade

Resultado de imagem para eichmann em jerusalem
Adolf Eichmann sendo julgado em Jerusalém (1960)
Pessoas comuns como Adolf Eichmann (nazista julgado em Jerusalém, em 1960) eram seres pensantes, mas se tornaram medíocres porque nunca capturaram a diferença entre a "manifestação do pensar" e "conhecimento", isto é, nunca refletiram seriamente a distinção entre o bem e o mal, o belo e o horrível - e resultaram anuladas naquilo que tinham de mais humano: serem pessoas. Viam-se como peça burocrática numa engrenagem sobre a qual nutriam devoção fora de qualquer explicação razoável, ainda que verossímil, liderada por Hittler. 

Assim, Eichmann e tantos outros nazistas, pessoas comuns, que não eram espécies de seres horrendos, repugnantes, desequilibrados ou pedófilos, foram capazes de cometer crimes numa escala monumental e inédita na história da humanidade. Eichmann morreu achando que apenas "cumpria ordens", o que, do ponto de vista burocrático dele, se tratava de encher os trens de judeus que iam para os campos de concentração, disparando todo o "procedimento" conhecido posteriormente como "Holocausto".

Hannah Arendt, que aprofundou e escreveu sobre o caso chega à conclusão impactante que o "mal", expresso numa escala tão extrema e inédita como no nazismo, não decorria de uma raiz humana, mas de um extremismo casado com impessoalidade. O conceito de "banalidade do mal" é melhor compreendido assim: "O mal não pode ser simultaneamente banal e radical. O mal é sempre extremo. Jamais radical. O bem é sempre profundo e radical. O mal, banal." Extremidades e radicalidades parecem sinônimos na política, mas a partir de Hannah Arendt, é bom começarmos a distingui-los. 

E eu também arrisco uma conclusão: Hitler nunca teria chegado onde chegou se não tivesse encontrado medíocres: pessoas que se "despersonalizaram", como Eichmann, incapazes de romper com o nazismo e seus procedimentos.

Pessoas comuns, burras, não compreenderam o que se passava e aderiram ao sistema. Pessoas comuns, inteligentes, compreenderam mas se adequaram ao sistema. 

Ser medíocre não tem a ver com Q.I., nem com ser "normal", "comum". Ser medíocre tem a ver com se acomodar à média induzida por um sistema. 

Qualquer semelhança com quem fala mal de Ana Julia Ribeiro e a luta das ocupações estudantis, não é mera coincidência.

Na raça e na paz d'Ele,
J. Braga.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Morte de Fidel - Gil Vicente Tavares

Cortella: "Não é só a educação dos filhos que é necessária, mas a dos pais também”.