Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2015

Por que me confessar?

Imagem
Antes pensava que ser pecador era uma coisa que eu fazia ou deixava de fazer. Se não matasse ninguém, estava tudo certo. Depois entendi que, mesmo que eu não matasse uma pessoa, mas a odiava em meu coração, estava pecando.
Hoje entendo que ser pecador tem mais a ver com uma condição. Uma distância em relação a Deus, que não sou capaz de eliminar, só com minhas próprias forças. Se você entende a distância que há entre um playmobil e um homem ou entre uma boneca de pano e uma mulher, você entendeu o que é ser pecador. Para ser discípulo é necessário eliminar essa distância a cada passo que se der.
Antes encarava o "arrependimento" como tristeza, um querer voltar atrás. Por causa disso, era do tipo que dizia: “só me arrependo daquilo que não faço, não do que faço”. No entanto, a palavra usada por Jesus para "arrependimento" na Bíblia foi "metanoia": "meta" = além, que vai além + "nous" = pensamento, mente. É a mesma palavra que traduz &…

Porque há, sim, interesses econômicos por trás das manifestações - Pablo Villaça

Imagem
Há uma dissonância de uma boa parte daqueles que foram às ruas nesse domingo e que podemos identificar nestes espaços pelos avatares que exibem apenas "Fora Dilma! E leve o PT junto!" e mensagens afins. Trata-se de uma direita raivosa, irracional, que responde a qualquer tentativa de argumentação com gritos e ofensas.
Em um de meus últimos posts aqui, por exemplo, apontei o óbvio: que as manifestações trouxeram indivíduos predominantemente brancos (e é sintomático que aqueles que tentaram provar o contrário usaram invariavelmente as mesmas duas ou três fotos). Assim, era razoável supor que as classes economicamente mais favorecidas dominaram o protesto - outra hipótese amplamente confirmada até mesmo por veículos da mídia que claramente torcem contra o governo.
A resposta imediata de muitos foi a mesma que praticamente todos os meus posts políticos geram (e até mesmo aqueles sobre Cinema, já que estes reacionários hidrofóbicos não perdem a oportunidade de xingar mesmo quand…

O choro de Villa é o sorriso de Dilma - Miguel do Rosário

Imagem
“Por trás de um homem triste, há sempre uma mulher feliz”, diz a canção de um dos mais ilustres cabos eleitorais de Dilma Rousseff.
A letra de Chico Buarque encaixa-se como luva no desespero de Marco Antonio Villa, historiador ultra-tucano e pau para toda a obra da mídia corporativa.
Desde meados do governo Lula, quando a mídia tentou derrubar o governo transformando o mensalão, um caso vulgar de caixa 2, num escândalo quase metafísico, Villa tornou-se num de seus pitbulls mais constantes. Digamos que ele passou a viver disso. Tornou-se um dos primeiros pistoleiros profissionais na guerra da mídia contra o PT.
O divertido, se é possível falar em diversão numa guerra que põe em risco a estabilidade política de um país com 200 milhões de pessoas, é constatar que os pitbulls levam a sério o trabalho que fazem. Eles vestem a camisa mesmo. Não é a tôa que Merval Pereira, outro pitbull anti-PT, chorou ao vivo, ou chegou bem perto disso, diante das câmeras da Globo, ao anunciar a segunda vit…

Dilma 2 está só começando, doa a quem doer

Imagem
Dilma Roussef não completava 1 mês de reeleita e a oposição a todo vapor mobilizava seu braço midiático (ou é a mesma coisa?), seus robôs de redes sociais, que foram mantidos sem parar mesmo após as eleições (custo: R$ 2 milhões por mês. De onde?! R.: Quem sabe?) e se locupletavam numa narrativa parcial, estilo "bode expiatório": a de que o PT era o causador da corrupção endêmica e antiga (como uma velha senhora) na Petrobras, que Dilma mentira sobre a conta de luz (inacreditável manipulação de um vídeo de 2013) e que deixava seu compromisso com emprego e renda de lado.
Se aproveitaram do pacote de ajustes que o governo federal assumiu num momento em que não havia mais espaço para gerir medidas anticíclicas. Com o aumento da gasolina, estava posto o substrato do aperto econômico, junto com uma grave dificuldade do governo federal de se comunicar com sua base social e sociedade em geral. Explicar as razões e as perspectivas desses ajustes, incluídos aí os que versam sobre ma…