Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2015

A primeira palavra-destaque de 2015: Islamofobia

Imagem
A primeira palavra que eu aprendi em 2015 foi “islamofobia”. Não sabia que existia. Aprendi no dia 7 de janeiro, no meio das notícias sobre o atentado terrorista ao jornal satírico francês Charlie Hebdo. Foram mortas 12 pessoas e mais 5 foram gravemente feridas. Uma tragédia. A imagem de um policial francês, já abatido e caído no chão, recebendo um tiro na cabeça pelos terroristas chocou o mundo. Detalhe: o policial executado também era muçulmano. O assassino - ignorante -  não sabia. 
Daí por diante, uma onda de hashtags “#JeSuisCharlie” e “#JeNeSuisPasCharlie” - nesta ordem - tomou conta das redes sociais, onde o senso comum impera. Nada contra redes sociais. Nada contra o senso comum. Problema é que os dois juntos geralmente nivelam as ideias por baixo. Ignorâncias semelhantes a do fanático terrorista borbulharam na internet. Neste caso, manifestou-se mais o binarismo raso: ou você era Charlie (#JeSuisCharlie) e “apoiava” os insultos contra as religiões que o jornal veiculava ou v…

“O importante é que Jesus nos salve, não que nos cure”, diz o Papa Francisco

Imagem
Não importa tanto a graça de uma cura física, mas o fato de que Jesus “nos salve e interceda por nós”. Salvação e intercessão são, pois, as palavras-chave com as quais Francisco define a ação e a presença de Cristo. O Pontífice fez a afirmação na manhã desta quinta-feira, 22 de janeiro, ao retomar as missas matutinas com pequenos grupos de fiéis na Capela da Casa Santa Marta, depois de uma breve interrupção após sua viagem ao Sri Lanka e Filipinas.
A reportagem é de Mauro Pianta e publicada no sítio Vatican Insider, 22-01-2015. A tradução é de André Langer.
Comentando o Evangelho do dia, que mostra as multidões, vindas de muitas regiões, acorrendo a Jesus, o Papa, segundo indicou a Rádio Vaticano, observa que o Povo de Deus vê no Senhor “uma esperança, porque seu modo de agir e de ensinar toca o coração, chega ao coração porque tem a força da Palavra de Deus”.
O povo, explicou o Papa, “sente isso e vê que em Jesus as promessas se realizam, que existe esperança em Jesus. O povo estava…